Archive for June 16, 2009

GALLO DOIDO

Posted in Dirty Sheep Cinema with tags on June 16, 2009 by gugagessullo

Vincent%20Gallo-776791Ator, diretor, produtor, cantor, compositor, corredor de moto, escritor, prostituto, cannibal, pintor, modelo, gogo dancer. Essas são algumas das facetas do nada convencional Vincent Gallo. Prova disso sao seus filmes Bufallo 66 (1998) e The Brown Bunny (2003), escrito, dirigido e atuado por ele mesmo.

 

 

Em Bufallo 66, onde ele também assina toda a trilha sonora, Gallo faz um drama individual-familiar com dialogos sensacionais e uma historia original. Foi a partir deste filme que Cristina Ricci, até entao conhecida pelo filme Familia Adams, ganhou status de atriz cult. E o mesmo aconteceu com Chloe Sevigny depois de The Brown Bunny. O filme foi massacrado pela critica mas mesmo assim ganhou notoriedade pela cena de um boquete explicito entre Chloë e Vincent Gallo. A cena é forte, talvez o cara passou um pouco do limite, mas é uma cena relevante e eu achei o filme bom, cheio de metalinguagens e sensibilidade artistica. Mais uma vez, nada convencional, o que talvez explique o massacre da critica. E John Frusciante assina boa parte da trilha do filme, vale a pena ver.

 

Afastado ha tempos da direçao, atualmente Vincent Gallo se dedica  a atuar em filmes e series e fazer musica. Ele participa do ultimo filme do Copolla, Tetro, ainda inédito nos cinemas. E como musico, faz trabalhos solos e com parceiros. Lançou em 2005 um CD com Sam Lenon e fez varias parcerias musicais com John Frusciante.

 

Uma das suas ultimas colaboracoes foi na animaçao Metropia, em que Vincent Gallo faz a voz do personagem principal. O filme parace bom, tem também Juliette Lewis. Ao menos interessante vai ser, como sempre é. Nao é a toa que Vincent Gallo carrega a fama de o ator mais cool do mundo.

Veja com Vincent Gallo

bufallobunnygoodfellas

Fobia de vendedor

Posted in Dirty Sheep Originals with tags on June 16, 2009 by gugagessullo

Comprar é sempre prazeroso para a maioria de nos. Ainda mais quando você sai de casa certo que vai comprar algo, que ja foi pensado, discutido, incluido na sua planilha, é so ir até a loja dar aquela ultima verificada e levar o novo brinquedo para casa. Porque quando é assim, você evita a coisa mais chata de todo o processo de compra, o contato com o vendedor. Tem vezes que você chega la na loja, esta fazendo pesquisa, olhando as informaçoes do produto, refletindo, você estabaleceu ali uma relaçao individual com o objeto de desejo. De repente, o vendedor. Que na maioria da vezes vem feliz demais, com aquele sorriso pronto. De primeira, ele quebra toda a intimidade que você estabeleceu com o objeto, agora sao 3. Tem gente que tem mais jeito com esse tipo de situaçao, olha feio, responde meio grosso ou mesmo solta um « tou so olhando, obrigado » e o vendedor parte para outra vitima. Mas comigo isso nao funciona. Sou do tipo que cai na armadilha. Caio e nao caio, quero dizer. É que nao consigo me desvincular do vendedor, presto atençao no que ele diz, no discurso ensaiado, concordo com a cabeça, faço cara de espanto quando ele conta alguma particularidade do produto (que eu ja sei), entro no teatro, faço caras e bocas, solto uma perguntinha vagabunda pra mostrar interesse, e no final, digo que vou pensar melhor. Eu sou daquelas pessoas que fica cheia de duvidas depois do discurso ensaiado do vendedor, mesmo sabendo que o proposito dele foi exatamente esse, me deixar confuso, me fazer duvidar da compra de um produto que eu ja havia meio que decidido e me fazer cogitar outro produto mais caro. O proposito dele é que eu fique dependente dele para « minha » decisao final de compra e, funciona. Depois que eu volto com o produto pra casa, meus amigos sempre questionam « porra, aquele outro era mais barato e faz a mesma merda ». É tudo que você nao precisa ouvir naquele momento. Ai eu tento repetir para eles o mesmo discurso que o vendedor me vendeu, mas me embaralho todo, percebo o quanto fui infantil e solto uma piada sobre mim mesmo para sair daquela situaçao, tiro sarro da minha propria miséria, me auto-destruo em publico, assumo que fui idiota e aponto em voz em alta para mim mesmo. Vai entender. Agora, o meu panico maior é quando vou em lojas sem pretexto nenhum de compra, passear, matar tempo. Outro dia fiz a burrice de entrar em uma loja de utensilios para cozinha, loja bonita, tava na cara que era toda enjoada e cara, mas entrei, tava matando tempo, pagando de cliente potencial. Fui recebido por dois atendentes todos de branco, vestidos como chefs de cozinhas. Me encolhi, como se fosse levar uma surra e sai meio que me esquivando, pedindo licença, fugindo e soltei que so tava olhando. Depois disso, você nao consegue aproveitar o passeio na loja, fico paranoico que os atendentes estao me olhando, me julgando, tenho medo de parar em frente a um objeto e ser rodeado novamente, com perguntas do tipo « posso te ajudar ? » ou « você procura o que ? ». Sai da loja sem olhar nada direito, com medo, me sentindo perseguido.