Archive for July, 2009

No pé do porco.

Posted in Dirty Sheep Loves it! with tags , on July 30, 2009 by gugagessullo

 

martinO Daguito havia me falado sobre o Au Pied de Cochon. Fiquei suspeito. Foie Gras, Pato, nunca fui fanatico por essas comidas, que por mim sempre foram rotuladas como alta gastronomia estufada, inflada. Daguito insistiu. Logo depois vi o programa do Antoine Bourdain na TV e nao teve jeito (veja abaixo!).

 

Imagina isso : um chef criativo e guloso que nao mede esforços em preparar pratos gordos e saborosos, quase tudo a base de pato. Gordo pra cacete. E sensacional. Uma orgia gastronomica. É alta com baixa gastronomia juntos e com preço de baixa. Martin Picard, o proprietario, é um dos chefs mais renomados do Canada e conhecido no mundo inteiro, e mesmo assim seu restaurante continua com a mesma pompa de um boteco sujo ajeitado. Na entrada, o aviso « chao escorregadio ». Muita gordura no ar. O chef, um gordao com cara de loco, circula pelas mesas com a camisa semi aberta com aquela expressao na cara de que acabou de mandar um pato inteiro e esta peidando enquanto fala.

 

CROMAQUIMartin Picard inventou o Foie Gras liquido. Imagina um quadradinho do tamanho de um provolone a milanesa, com uma casca frita por fora e foie gras liquido por dentro. O garçom vem te ensinar a comer : você enfia o quadrado inteiro na boca e deixa o baguio explodir la dentro. Foda ! Se você ainda esta suspeito, olha este video aqui embaixo do programa do Antoine Bourdain. E se der, vai la antes que Foie Gras vire crime. Do jeito que as coisas andam…

 

Au Pied de Cochon

 536 Duluth Est – Montréal, Canada

 

Preço : R$ 30 por cabeça (com tip) e você sai amarrotado.

Recomendaçao:

·          Petisco – Cromaqui de Foie Gras

·          Entrada – Sopa de cebola (com pao, carne de porco e gratinada com gruyère)

·          Prato – Steak de Bisao com fritas.

·          Sobremesa – ENO!

Acalma

Posted in Dirty Sheep Loves it! on July 28, 2009 by gugagessullo

 

Quem me mandou isso ? Fabiao, claro.

Direto de seu mundo paralelo para nos, o 2o maior aquario do mundo.

Bem legal. Um bom video para acalmar o cidadao.

 

Até o fim do video, algumas coisas podem acontecer com você:

 

A)    Chorar.

B)    Entender o sentido da vida, pedir demissao, largar da mulher, abandonar os filhos e virar mergulhador de aquario. Acabar no aquario de Santos, entediado, frustado, constrangido, humilhado e pedir pra voltar para sua antiga vida cretina. Entender finalmente que a vida nao tem sentido.

C)    Achar tudo uma merda. Ficar putinho porque o mundo animal ta enjaulado, reclamar inflamado na mesa de bar e continuar enjaulado, na sua hipocrisia diaria.

D)  Nada.

 

Whiskey Hangover

Posted in Dirty Sheep Loves it! with tags on July 26, 2009 by gugagessullo

Depois do Alice in Chains, outra boa banda volta dando tapa nos nossos ouvidos.

Godsmack.

Whiskey Hangover é o novo single.

Se liga. Bom demais.

Especialmente ao Passa e ao Ronnie.

 

World of Sheep

Posted in Dirty Sheep Loves it! on July 22, 2009 by gugagessullo

TIRA

THE FIXER

Posted in Dirty Sheep Loves it! with tags , on July 20, 2009 by gugagessullo

Pearl Jam soltou o single novo hoje. E meu amigo, é foda demais! O CD Backspacer sai dia 20 de setembro e promete. Uma outra música do álbum, Got Some, foi tocada no programa do Conan O’Brien no dia 1º de junho e teve a maior audiência de um talk show em 5 anos.

Upbeat, catchy, mais pop? Ou só uma música mais otimista em relação aos últimos 2 trabalhos da banda que pegava forte na crítica ao Bush. Agora que o cenário está mais ensolarado, bom momento para uma música mais leve. Rápida e leve, rock simples.

Dê sua opinião sobre a música.


PROCON divino

Posted in Dirty Sheep Loves it! with tags on July 19, 2009 by gugagessullo

Por Antônio Prata

 

Os assassinos, os molestadores, os tiranos, os que pagam as contas privadas com dinheiro público e os que empregam a família no senado; com esses não há que se preocupar, já estão na listinha que Deus e seu capataz, o Diabo, levam no bolso da frente. Há outros, contudo, mais discretos – mas nem por isso menos nocivos – que talvez passem despercebidos. Por eles elevo minhas preces: que a ira divina não os esqueça, no dia em que o céu finalmente cair sobre nossas cabeças.

 

Fabricantes de papel higiênico rosa: vaguai pelo além vestindo mantos de lixa, secai vossos corpos com toalhas de língua de pirarucu e limpai vossos umbigos com cotonetes de mamona, pois que menor castigo não merecem os que obrigam seus semelhantes, encurralados em cubículos fétidos, a se auto-penitenciarem com o mais torpe fruto da celulose.

 

Engenheiros aeronáuticos que projetastes as poltronas da classe econômica e magnatas da aviação que fumais vossos charutos comprados com a bufunfa dos enlatados passageiros: que vós reencarneis como bonsais, pois que só a vida centenária de um carvalho num vasinho de dez centímetros pode se equiparar a oito horas em vossas aeronaves.

 

Produtores de mostarda vagabunda, que prometeis sabor e entregais papas arenosas de amido de milho: boiai pela eternidade em oceanos de mingau, não vendo nenhuma terra firme além de icebergs de tofu, que escalareis com as mandíbulas, pois que nada nessa vida é de tanto mau gosto como falta de gosto que vós multiplicais.

 

Vendedores de chuveiro elétrico, que prometeis temperatura e pressão ao mesmo tempo: que a vós sejam reservados boxes de gelo nas calotas polares dos infernos, onde ficareis para sempre a girar para lá e para cá um registro, recebendo ora um fiozinho de óleo fervente no cocuruto, ora uma ducha de água fria na espinhela, pois que não existe na história da hidráulica falácia maior do que temperatura e pressão ao mesmo tempo – “a nível de” chuveiro elétrico.

 

Vós, que fazeis cortadores de unha que não cortam, tremei: que vossas unhas cresçam à velocidade de dez centímetros por minuto, e que não tenhais para apará-las mais do que os dentes que há na boca, e que o tempo seja inteiramente ocupado na ação de roê-las, e que sejais como coelhos com cenouras, sendo vós tanto os coelhos quanto as cenouras, pois há na vida poucas aflições maiores do que ter a unha dobrada sob a lâmina cega de vossos cortadores.

 

E que todos os outros, tantos outros, que tirais vossos salários do amesquinhamento do mundo, que semeais o incômodo, a frustração e a dificuldade, e que sabeis que o que fazeis é ruim: lembrai-vos da ira divina, e assustai-vos com o fogo do inferno, e arrependei-vos, pois que ainda é tempo!

Vida em fatos e fotos

Posted in Dirty Sheep Loves it! on July 16, 2009 by gugagessullo

Vida de imigra

Posted in Dirty Sheep Loves it! on July 16, 2009 by gugagessullo

Em primeira mão, meu primeiro dia de trabalho aqui no exterior.

E logo depois, o primeiro role de caro escutando um som gringo.

Yeah Yeah Yeah Yeah !

Posted in Dirty Sheep Loves it! with tags , , on July 15, 2009 by gugagessullo

 

Segunda, 20 de julho, Pearl Jam lança seu novo single THE FIXER. O álbum, BACKSPACER, sai dia 20 de setembro e já está disponível para compra no site deles, em CD e VINIL, veja aqui.

20 minutos de THE FIXER foi tocada ontem no intervalo do All-Star 2009 na Fox. Se liga que o baguio é bom. Foda é os barulhos de fogos do evento no fundo.

A música vai estar disponível para download no site deles no mesmo dia 20. Agora sem gravadora, os caras estão lidando eles mesmo com suas parcerias para vender o próximo álbum. No Brasil ele chega através da Universal.

Camila

Posted in Dirty Sheep Originals with tags on July 13, 2009 by gugagessullo

 

Camila era romântica e ingênua, mas nao era burra. Sabia das misérias e das tristezas do mundo, mas preferia tapar os ouvidos para que tudo continuasse dentro dos seus muros. No fundo, sabia que ela mesmo era triste e infeliz mas nao queria espalhar-se a noticia. Quando pequena, se entorpecia de bonecas, brinquedos, gibis, desenhos animados e programas infantis. Quando adolescente, papéis de carta, livros de banca de jornal sobre principes e princesas, comédias românticas. Ja adulta, novelas, filmes de final feliz, revistas de fofocas, religiao. Evitava a todo custo o inicio do Jornal Nacional com suas guerras, conflitos e corrupçoes, preferia os minutos finais com gols do Brasileirao e noticias de celebridades. Foi boa aluna na escola e parou por ai. Nunca quis mudar o mundo e portanto faculdade nao era para ela. Como profissao, escolheu ser costureira como a mae. Nao almejava o sucesso, a competiçao, nao era ambiciosa. Preferia colocar a mao na massa e fazer as barras. Casou-se para trilhar a métrica dos ordinarios e nao por amor, mas amor nao faltou para servir seu marido. Nunca o questionou, evitava reparar nos seus defeitos, nunca reclamou de suas manias, de seus horarios, de suas vontades, fazia muito bem o arroz e feijao da felicidade. So pediu um filho mas teve dois, o que ja compensava em dobro toda a sua devoçao ao marido. Educou os meninos do melhor jeito, levantava antes deles irem a escola, preparava o café, ja começava o almoço, limpava a casa, costurava, preparava o jantar, tomava um banho e esperava todos à mesa. Sentava no sofa com a familia toda e ficava ali no seu cantinho, de expectadora, feliz em ver seus filhos brincando e crescendo. Escutava o marido falar mal do trabalho, mas nao dava conselhos, dava força. Antes de dormir, ficava olhando o mundo de sua janela. Rezava, fazia amor com o marido quando a ele convinha e colocava o despertador para as 6h da manha seguinte. E la ia ela novamente. Domingo, expurgava tudo o que acumulou de pensamentos ruins na missa. Tinha poucas amigas e nao tinha muitas porque simplesmente nao fofocava, nao dava opnioes nao se inxeria na vida dos outros, falem mal mas nao falem de mim.

 

Um dia Camila acordou triste. Nao sabia o que fazer. Levantou-se mais tarde do que todos esperavam, faltou café na mesa. Mamae esta doente, disse o Pai. Passou o dia angustiada e precopucada sem saber com o que. Foi até a igreja e rezou de joelhos pedindo sua vida de volta. Ficou constrangida quando viu lagrimas caindo, tentou enxuga-las em vao pois caiam como rios. Quando sua vizinha colocou a mao em seu ombro e perguntou o que havia, Camila entrou em pânico. Haviam pulado o muro ou o muro havia desabado. E assim, desabada, saiu correndo pelas ruas. Olhava para as pessoas, para o mundo com o terror dos olhos desvirginados. E tudo aquilo que ela sempre evitou, entrou assim de sopetao, como um soco, uma porrada, uma tapa. A felicidade era um fardo. Xingou o marido como se estivesse possuida, amaldiçuou sua vida, arrependeu-se, fez suposiçoes, lembrou de seus sonhos, sentiu as rugas nos olhos, sentiu os calos da mao. E ali ajoelhada na calçada, abaixou sua cabeça e colocou suas maos emcima,  a realidade interpretando a dor da vida.  Sentiu seu braço ser puxado, mas queriam so a bolsa. Puxou de volta, ja nao tinha mais nada a perder. E entao sentiu algo nas costas. Viu sangue. E morreu.

 

Mais textos da série Relatos sobre a Morte:

Carpintaria

Edivaldo acordou sabendo que ia morrer

Motta