Chapman e DiFranco.

Tracy Chapman e Ani Difranco tem uma semelhança especial para mim: duas artistas engajadas que tramsmitem isso sozinhas com um violão na mão.  

Depois do sucesso estrondoso do seu 1º disco, Tracy Chapman dedicou sua carreira a quem decidiu realmente a acompanhar. Tem gente que acha que ela encerrou a carreira quando a novela Vale Tudo da Globo terminou (Baby Can I Hold You, lembram desta?). Quem parou de ver novelas, viu que Tracy continua indo, disco atrás de disco em intervalos razoáveis, às vezes puxando mais pro rock, às vezes mais pro pop, às vezes mais pro soul e r&b, às vezes para os três ao mesmo tempo. E sua voz é inconfundível. Ou até confundível. “Com a de um homem”, como a rotularam no início da carreira, além dos boatos de que era homossexual. E ela com toda razão fechou a boca em relação a isso e deixou o vozeirão livre  só nas suas músicas.

 

A outra já é mais porra loca, ícone do feminismo norte-americano dos anos 90, uma das pioneiras a abordar abertamente na música suas opções sexuais. Bissexual, como ela mesma se definiu e declarou na canção In or Out. E quando Ani DiFranco decidiu se casar com um homem, milhares de suas fãs lésbicas a abandonaram, como uma punk que havia traído o movimento. Bom, tolas foram as “meninas” por que a agora,esposa Ani Difranco continua disco atrás de disco com seu estilo único, prolixo e aberto. Mais de 20 álbuns até hoje.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: