Archive for April 5, 2010

Andrew Bird e a Lula

Posted in Dirty Sheep Loves it!, Dirty Sheep Music with tags on April 5, 2010 by gugagessullo
Advertisements

Tem Fogo?

Posted in John the Smoking Gun with tags on April 5, 2010 by gugagessullo

Sai do bar pra fumar um cigarro, essa porra de lei. Bares e fumaça combinam. Levei meu copo comigo e fui para a esquina, acendi o cigarro com aquele gosto mágico que a bebida te dá, combinação dos deuses, o melhor cigarro de todos.

– Oi… – uma voz de mulher cutucou meus sentidos. Me virei e uma mestiça linda pairava com um cigarro entre os dedos. – Tem fogo? – Acendi seu cigarro e por alguns mínimos segundos a labareda do isqueiro me deixou ver sua beleza quase que incontrolável, tinha olhos puxados, verdes, um nariz fino e macio, os cabelos lisos caiam sobre a testa, uma bela foda. Colocou o cigarro na boca e o aproximou da chama, sugando-a. A ponta se acendeu. A chama se apagou e voltamos a ser aqueles velhos desconhecidos. Aquele momento se repete sempre, duas pessoas que nada sabem uma da outra e por alguns segundos se tornam íntimas, quase tocam as mãos, respiram o mesmo ar, dividem do mesmo prazer, mal sabia ela que a desejei intensamente enquanto pude.

– Você não acha estranho? – ela perguntou depois de umas duas tragadas.

– O que?

– A situação toda, essa coisa de fumantes, estamos ligados de certa forma, não?

– Estava pensando na mesma coisa. Eu não sei nada sobre você, você não sabe nada sobre mim e fomos íntimos por alguns milésimos de segundos. – Ela riu e tragou mais uma vez. Eu ri de volta.

– Você poderia ser o homem da minha vida e eu nunca saberia.

– Ou um assassino louco que acaba se escolher sua próxima vítima – e rimos juntos, meio sem graça, meio que se flertando.

– Pois é – ela disse – Ou quem sabe eu fui contratada para te matar.

– E você foi? – me aproximei dela com os olhos incandescentes de tesão. E de esperança. – Às vezes o matador sou eu. – ela balançou a cabeça achando graça do que eu tinha dito. Deu uma última tragada e jogou o cigarro no chão, pisou e esmagou a bituca.

– Foi um prazer.

– O prazer foi meu. – E era a mais pura verdade, eu tinha acabado de comer aquela mestiça com meus mais profanos pensamentos. Ela sabia disso. Puxei outro cigarro do maço e escutei outra voz no meu cangote.

– Tem fogo?

Cinema Nostalgia

Posted in Dirty Sheep Cinema with tags , , , , , , on April 5, 2010 by gugagessullo
Segue abaixo extrato do início do filme Confessions of a Dangerous Mind.
Não tinha visto esse filme até hoje. Roteiro de Charlie Kaufman e direção
de George Clooney. Foda demais, muito bom. Filme cheio de idéias,
questionamentos e subtilidades que fazem filmes serem coisas maiores que
bilheteria e propaganda. O filme foi um fracasso de bilheteria, aliás, e virou
cult só depois. História baseada na vida de Chuck Barris, uma espécie de
Silvio Santos que inventou vários formatos conhecidos e repetidos hoje pela
televisão, entre eles o The Dating Game. Baseado nas memórias do próprio
Chuck, o filme explora a vida deste conturbado ser humano, que dizia ser um
agente da CIA ao mesmo tempo que produtor de seus  programas. Uma vida
dupla. Fazia as pessoas rirem e também matava por aí. 
Mentira ou verdade, pouco importa. Gênio. 
 
When you're young, your potential is infinite. You might do anything, really.
You might be great. You might be Einstein. You might be Goethe. Then you
get to an age where what you might be gives way to what you have been.
You weren't Einstein. You weren't anything. That's a bad moment.
But I remembered something Carlyle wrote: "... there is no life of a man,
faithfully recorded, but is a heroic poem of its sort, rhymed or unrhymed."
I realized my salvation might be in recording my wasted life, unflinchingly.
Maybe it would serve as a cautionary tale.
Maybe it would help me understand why.

George Clooney tinha 30 milhões para fazer o filme, pouco comparado as produções de Hollywood. Convenceu Drew Barrymore e Julia Roberts a baixarem seus cachês e ainda colocou seus amigos na fita. Olha essa cena que o Brad Pitt e o Matt Damon aparecem, única cena que os dois aparecem, aliás. O Matt Damon encarando o gordinho é excelente.